Lá e cá sem graça

Uma moça bonita, acostumada que chamasse a atenção, entrou num ônibus prateado, apresentou uma língua de papel com um monte de letras pontilhadas, uma carteirinha verde com uma foto ainda mais escabrosa que o papel em si e pôde seguir a diante. Uma veia pulava no pescoço branquelo. Se, por um lado, o seu cachorro…

Eu não começo pelo começo

Eu não começo pelo começo. Verdade seja dita: eu não começo. É difícil que eu comece pelo começo, então eu começo pelo início, mas raramente pelo começo. Este, eu comecei pelo começo porque parecia sensato ele ser começado assim: a história pulou em meu cérebro, deixei de lado o conto que eu estava organizando no…

João que Escreveu

João era o “ninguém”. Catou por ali um resto de carvão, também uma folha meio amarelada… Um resto de papel pardo. Escreveu. Sem interesse desfez-se da peça por ali mesmo. Alguém leu. Já não chamavam-no “joão ninguém”. Chamavam-no “João que Escreveu”, pois se tornou alguém.